Quinta-feira
22 de Agosto de 2019 - 

NOTÍCIAS

Newsletter

Cadastre-se para receber atualizações, notícias e artigos.

24/04/2019 - 12h01Júri em Manga condena três homensO julgamento durou 13 horas e teve reforço policial

Um dos acusados presta depoimento ao juiz João Carneiro Duarte Neto O Tribunal do Júri da comarca de Manga condenou, no último dia 23 de março, três homens acusados pelo Ministério Público de homicídio qualificado, constrangimento ilegal, dano qualificado, roubo majorado e corrupção de menor. Jéferson Cardoso de Lima, vulgo “Pega Bicho”, foi condenado a 27 anos de prisão; Jânio Rodrigues da Silva, conhecido como “Negão”, a 28 anos de prisão e Dirceu Ribeiro da Silva Neto, o “Bolinha”, a 23 anos de prisão. O júri foi presidido pelo juiz João Carneiro Duarte Neto. Os crimes, de grande repercussão social, aconteceram na cidade de Jaíba, no dia 28 de novembro de 2016. A denúncia apresentou cinco fatos ao Conselho de Sentença. O primeiro aponta um crime executado pelos denunciados na Fazenda dos Padres, em Jaíba, que resultou na morte da vítima. Relatos apontam para crime de vingança. O segundo fato relata que um dos acusados teria utilizado uma motocicleta para passar por cima da perna da vítima. No terceiro, os denunciados constrangeram adolescentes mediante ameaça de uso de arma de fogo. O quarto fato, descrito pelo MP, indica uso de gasolina para atear fogo em uma caminhonete, um automóvel e duas motocicletas. No quinto, houve subtração de R$ 450 e de um aparelho celular de um adolescente. Durante a fase de instrução criminal, o sexto fato foi apurado. Trata-se de corrupção de menor. A sessão do júri durou 13 horas. Houve reforço policial para garantir a segurança dos jurados, servidores e do magistrado durante a realização do julgamento. Na sentença, o juiz anotou que as séries de quesitos foram preparadas de forma inpidualizada para cada réu, levando em conta a maioria de votos dos jurados. Veja a movimentação processual.
24/04/2019 (00:00)
© 2019 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia