Sábado
07 de Dezembro de 2019 - 

NOTÍCIAS

Newsletter

Cadastre-se para receber atualizações, notícias e artigos.

16/07/2019 - 19h09Acusados de matar líder comunitário serão julgados amanhãRéus se apossaram de lotes para vendê-los no futuro, com lucros

Ocupação Vitória, na Região Norte, está localizada próximo ao limite de Belo Horizonte com Santa Luzia Serão julgados amanhã, 17 de julho, no 2º Tribunal do Júri do Fórum Lafayette, dois homens e uma mulher acusados de matar o líder comunitário Manoel Ramos de Souza, conhecido como “Bahia”. Quatro pessoas foram denunciadas pelo crime, que aconteceu na Ocupação Vitória, Região Norte de Belo Horizonte. Um dos acusados já foi julgado e condenado. O julgamento de amanhã será presidido pelo juiz Ricardo Sávio de Oliveira e começa às 8h30. O promotor Francisco de Assis Santiago fará a acusação. A advogada Fernanda Vieira de Oliveira atuará como assistente da acusação e os advogados Ítalo Narciso Lima Ribeiro, Lucirene Vieira Dos Santos De Andrade , André Moreira de Abreu Luz e Lúcio Adolfo da Silva vão atuar na defesa dos réus. De acordo com o Ministério Público (MP), na tarde de 31 de março de 2015, na comunidade denominada Ocupação Vitória, nos limites de Belo Horizonte e Santa Luzia, os acusados D.S.G.S., C.S.S.G. e W.S.G., insuflados por E.F.M.M.S., mataram Manoel com golpes de machado, facões, martelo e enxadas. De acordo com as investigações, os acusados se apossaram de persos lotes na comunidade, com o objetivo de comercializá-los no futuro, com lucros. Essa prática não era tolerada pelas lideranças da ocupação, uma vez que a ideia era preservar os lotes para famílias carentes que se dispusessem a construir suas residências no local. Assim como ocorreu com todos os demais, foi concedido prazo a E.F.M.M.S. para iniciar a construção em seu lote, o que foi postergado ao máximo, sempre com o argumento de que sua gleba seria pidida entre os próprios filhos, apurou o MP. Insatisfeita com as regras, a acusada passou a atiçar seus familiares, inclusive os acusados, contra a vítima. D.S.G.S. foi julgado em 16 de março de 2017 e condenado a 17 anos, 1 mês e 21 dias de prisão. E.F.M.M.S., acusada de instigar os demais acusados, colaborou nas investigações e respondeu ao processo em liberdade. C.S.S.G. e W.S.G. estiveram presos e agora estão com tornozeleira eletrônica. Acesse a movimentação do júri (0946812-44.2015.8.13.0024)e do processo anterior (0911848-88.2016.8.13.0024).
16/07/2019 (00:00)
© 2019 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia