Segunda-feira
14 de Outubro de 2019 - 

NOTÍCIAS

Newsletter

Cadastre-se para receber atualizações, notícias e artigos.

14/06/2019 - 16h50JG Trio é atração musical na entrada do TJMGAmizade de muitos anos do trio é traduzida em sambas no Intervalo Cultural

Trio musical se apresentou no TJMG A tarde fria de hoje, 14 de junho, foi aquecida pela banda JG Trio, que se apresentou no saguão da Unidade Sede do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), no Intervalo Cultural. João Batera, Geraldo Ax e Geovane Silva, músicos de uma vida inteira de palcos, trouxeram sambas que empolgaram e emocionaram servidores, magistrados e pessoas que passavam pela rua. Entre os sambas apresentados estavam composições de Zeca Pagodinho, Gilberto Gil, Vinícius de Moraes, Novos Baianos, Djavan e Martinho da Vila. Além disso, João Batera não deixou de mostrar suas próprias canções: uma delas, “Esperando o Metrô”, fala sobre a falta de transporte em bairros de Belo Horizonte e foi a marchinha vencedora do Concurso Mestre Jonas, em 2018.    Para Batera, trazer a alegria do samba para o TJMG é uma satisfação. “O Intervalo Cultural promove uma importante pulgação dos trabalhos de vários artistas, e estar aqui hoje foi fazer parte dessa interação entre artistas e servidores”, afirmou. João Batera ganhou o concurso de marchinhas Mestre Jonas, em 2018 O violonista, guitarrista, baixista e cantor Geraldo Ax leva a música pela região Sudeste há 35 anos. Sua expectativa para a apresentação de hoje era agradar ao público interno, com samba de raiz e MPB de melhor qualidade, e dar leveza a esta sexta-feira. “A cultura não tem limites para espaços, cabe em qualquer lugar”, disse o percussionista Geovane Silva. Chamado Geovane do Surdo, é amigo de infância de João Batera e está há 25 anos na carreira musical. Para ele, essa inovação do Intervalo Cultural ajuda a quebrar a imagem fria da instituição e aproximá-la da população. Geovane focou sua história musical na percussão tocando surdo, pandeiro, tamborim, tantan e agogô. Recentemente assumiu nos vocais. “Pode repetir sempre”, pede Ângela Tanuri, servidora da Coordenação de Estruturação de Processos Originários e Recursais (Coespro). Segundo ela, o repertório todo estava ótimo, mas a canção que mais a emocionou foi "Brasil Pandeiro". O samba trouxe uma alegria para todos, hoje.  
14/06/2019 (00:00)
© 2019 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia