Quarta-feira
18 de Setembro de 2019 - 

NOTÍCIAS

Newsletter

Cadastre-se para receber atualizações, notícias e artigos.

13/08/2019 - 18h05TJMG promove palestras para jovens trabalhadores da CasaObjetivo foi orientar sobre concurso de vídeos que abordarão violência doméstica

“Violência doméstica contra a mulher: de piadas ofensivas à agressão.” Esse é o tema da edição do concurso de vídeos aberto à participação dos adolescentes trabalhadores da Associação Profissionalizante do Menor (Assprom) que prestam serviço no Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG). Para auxiliar na realização dos vídeos, que devem ter a duração de um minuto, a Assessoria de Comunicação (Ascom) do TJMG promoveu uma tarde de palestras hoje, 13 de agosto, para os jovens se informarem sobre o tema e sobre produção de vídeo. A superintendente da Coordenadoria da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar (Comsiv), desembargadora Alice Birchal, abriu o encontro. Ela disse aos jovens que, por meio dos vídeos a serem produzidos por eles, o TJMG vai aprender como lidar com a questão da violência contra a mulher com uma linguagem direta e responsável. “Os adolescentes podem contribuir para coibir a violência e encorajar as mulheres a denunciar, para que o respeito entre homens e mulheres seja mútuo”, afirmou. O comunicólogo Gabriel Almeida, da Assessoria de Comunicação Institucional (Ascom), detalhou as normas do edital do concurso e respondeu às dúvidas dos adolescentes. E o cineasta Augusto Brasil, integrante da equipe de TV da Ascom, falou sobre a importância do planejamento para a produção de vídeos. A antropóloga Angelina Parreiras foi quem discorreu sobre o tema do concurso. Ela mostrou dados sobre a violência contra a mulher e o feminicídio no Brasil e deu seu depoimento pessoal. Ela foi vítima das agressões cometidas pelo ex-companheiro. “Acho o tema de extrema importância para ser tratado com os jovens porque os índices de violência contra a mulher estão crescendo, e temos que combater essa cultura machista que leva à banalização da violência e à culpabilização da mulher em casos de estupro e até mesmo de feminicídio”, analisou a antropóloga. Veja mais fotos no Flickr.  
13/08/2019 (00:00)
© 2019 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia